Páginas

domingo, 11 de fevereiro de 2018

Tuiuti se torna o 2º assunto mais comentado no Twitter no mundo após desfile histórico politizado e crítico em muitos anos de Carnaval sobre a escravidão

Ovacionada na Sapucaí, por causa do desfile mais politizado e crítico em muitos anos de Carnaval sobre a escravidão, a Paraíso do Tuiuti também virou hit na internet.

Logo após a apresentação histórica deste domingo, a escola foi parar no primeiro lugar dos trending topics do Twitter, com o assunto mais comentado na rede social no Brasil; e segundo no mundo.

quarta-feira, 13 de dezembro de 2017

'Que o Orixá toque na cabeça de todos para que se encontre uma solução', diz Mãe Stella


CORREIO esteve com ialorixá de 92 anos, ontem à noite; assista depoimento sobre retorno ao terreiro

O temporal que caiu sobre a cidade de Nazaré, no Reconcâvo baiano, ontem à noite, interrompeu o fornecimento de energia em parte da cidade. No centenário casarão de número 35, da Rua Ferreira Bastos, no bairro Batatan, velas iluminavam parcamente o seu salão principal. O portão pequeno da casa está emperrado pelo excesso de vegetação. O acesso é pelo portão da garagem que leva até a cozinha, onde uma enorme mesa de jantar está posta. Na sala principal, sentada numa cadeira de vime giratória, a maior sacerdotisa do candomblé em atividade no Brasil, Mãe Stella de Oxóssi, 92 anos, cochila serenamente.

Ao ser informada da chegada do CORREIO, ela movimenta os braços lentamente à procura dos visitantes. Os olhos caídos e fixados num único ponto delatam a visão comprometida. “Pegue na mão dela pra ela saber que o senhor está aqui”, diz uma senhora que se apresenta como cuidadora da ialorixá.
Na sala, seis pessoas se dividem em atenção à anciã que repousa na poltrona vestida numa bata branca e numa saia longa estampada de verde, as cores de Oxóssi, seu orixá.

“Ela está ótima, lúcida”, diz a psicóloga Graziela Domini Peixoto, companheira da religiosa e que está sendo acusada por membros da família da sacerdotisa e também por filhos de santo do terreiro Ilê Axé Opô Afonjá, de tê-la afastado do convívio familiar e religioso.

“Eu vim pra cá porque estava desencantada com o rumo que as coisas tomaram de um tempo para cá. Vim de livre e espontânea vontade, não sei porque estão fazendo Graziela de bode expiatório. Espero que Deus dê forças a ela para suportar o que estão nos fazendo”, diz, pausadamente, a ialorixá.

Dos presentes na casa, duas mulheres são apresentadas como cuidadoras da religiosa. Os outros são irmãos e/ou parentes de Graziela. As duas chegaram à cidade na sexta-feira (1º), depois de Mãe Stella recebeu alta do hospital onde estava internada.

Oscilando entre momentos de lucidez e de apagões de memória, a ialorixá conta que estava sendo muito pressionada pelos 71 membros do terreiro que não mais a escutavam. “Eles falam da hierarquia, mas depois de se reunirem comigo, tomavam outras decisões sem me consultar”, afirma.

Mãe Stella na casa da psicóloga Graziela, em Nazaré
(Foto: Betto Jr/CORREIO)

Publicidade

Mãe Stella diz que a decisão de sair de sua casa para passar uma temporada fora foi para ver se aplacava os ânimos por lá. “Eu não estava sendo respeitada. Preferi me ausentar para ver se as coisas se acomodam. Perdi o encantamento”, diz, para em seguida, ressaltar: “Não do meu trabalho, da espiritualidade, mas da condução das coisas dentro do Afonjá”.Diz que continua se sentindo responsável pelo terreiro e pelo seu trabalho espiritual. “Só não é admissível é que você queime as suas pestanas, perda o sono, faça suas obrigações e depois sempre encontra quem atrapalhe seus pensamentos”, diz.  

Sempre com os olhos semicerrados e um tom de voz baixa e muito pausado, a sacerdotisa, na maioria do tempo, se esforça para concluir o raciocínio. Nem sempre consegue. Muitas vezes suas frases são complementadas pela companheira que, cuidadosamente, a consulta antes de interceder. “Posso ajudá-la a concluir, mãe?”. Ela de pronto, responde: “Por favor, filha”. E Graziela o faz. Mãe Stella agradece carinhosamente. “Obrigada, minha filha”.

Aparente cumplicidade
A relação das duas, pelo menos aparentemente, é de muita cumplicidade. “Eles acham que estou interessada em tomar o lugar dela, mas isso não passa pela minha cabeça. Até porque, minha energia hoje é toda voltada para dar qualidade de vida a ela, foi por isso que viemos para cá, para termos paz”, diz Graziela, que tem o posto de Iya Egbe (mãe de todos) no Ilê Axé Opô Afonjá.

Para a sacerdotisa, toda essa situação que está vivendo é fruto de intrigas e de disputa interna de poder dentro do terreiro. “Eu não sei o porque de  tudo isso está acontecendo lá se eu não penso hora nenhuma em sucessão”, diz.

Sucessão, aliás, parece ser um assunto que não interessa as duas principais envolvidas neste imbróglio. Pelo menos por enquanto. “Eu não tenho tempo pra pensar nisso, o meu tempo eu dedico a cuidar de Mãe Stella para que não se entregue, para que continue firme com seu trabalho espiritual. Dedico meu tempo a mantê-la ativa. Seja redigindo um artigo com ela, seja produzindo um vídeo no canal do youtube,que fizemos para ocupá-la, tudo para manter sua cabeça em atividade”, diz Graziela.

Mãe Stella e Graziela
(Foto: Betto Jr/CORREIO)

Sobre acusações de que teria se apropriado da ialorixá, de bens do terreiro e até dos trabalhos religiosos, Graziela diz: “Tenho tudo documentado, já temos tudo resolvido desde 2015, tenho toda a documentação. Não vou perder tempo em desmentir nem provar nada, porque minha obrigação, minha missão hoje é cuidar dela e isso é o que estou fazendo”, afirma.

Durante todo o tempo que durou nossa conversa, Graziela acarinhava a ialorixá. “Vamos parar porque ela já está cansada”, disse. Mãe Stella ri timidamente e muda de assunto: "o senhor tem orixá?”, pergunta.

Respondo que sim, que sou de Ogum. “Obá! Então que Ogum lhe dê inspiração para que esse trabalho que o senhor está fazendo aqui nos ajude, a nós e ao senhor, a seguirmos numa linha reta”, disse.

O repórter Ronaldo Jacobina com Mãe Stella na noite de ontem (9)
(Foto: Betto Jr./CORREIO)

Com a expressão desolada reclama de fome. “Cadê meu café que ficaram de trazer?”, questiona. É a senha que temos de partir. Antes porém, arrisco a última pergunta: a senhora planeja voltar? Quando? Ela pensa, reflete e responde: “É o orixá, que vai dizer, que vai orientar. Então, que essa energia, porque o orixá é uma energia, toque na cabeça de todos nós para que encontremos o caminho certo”.

sexta-feira, 8 de dezembro de 2017

Carreata em homenagem a Mãe Oxum percorreu ruas de Guaíba neste sábado (9)


Celebração iniciou as homenagens  dedicadas a  rainha das águas doces. Um agrado a Mãe Oxum que fica na Gruta na Praia da Alegria. Pelo quarto ano seguido, as bandeira amarelas tomam conta da frente do Ilê de Oxum, após elas foram sinalizando às ruas da cidade de Guaíba, elas acompanhavam  os carros que tiveram  a responsabilidade de conduzir,  a imagem de Mãe Oxum , do bairro Santa Rita até a Praia da Alegria.

IMG_4723

A fantástica história do “sequestro” de Mãe Stella


08 de dezembro de 2017, 09:41

Laís Rocha

Os familiares de Mãe Stella de Oxóssi e filhos de santo da mesma acusam a psicóloga Graziela Domini de levar a Ialorixá de casa sem informar o paradeiro. De acordo com informções da coluna Satélite de Jairo Junior e Luan Santos, eles vão se reunir nesta sexta-feira (8), no Terreiro Ilê Axé Opo Ofunjá, para discurtir estratégias para “resgatar” Mãe Stella. O paradeiro ainda não foi confirmado, mas há suspeitas que ela foi levada para a cidade de Nazaré, no Recôncavo Baiano, onde Graziela tem família.

Ainda de acordo com a coluna, em carta assinada por 71 pessoas, familiares e filhos do Ilê relatam que a psicóloga, que não era bem vinda no Axé, estaria impedindo visitas à Mãe Stella, que tem 92 anos. Segundo a carta, o “sequestro” já dura 12 dias.

Em outra carta de conhecimento dos colunistas, Graziela se apresenta como companheira da Ialorixá, afirma que está sendo difamada e injustiçada e que a situação já afeta a saúde de Mãe Stella. No último dia 24, a psicóloga prestou queixa contra os filhos de santo por terem levado a líder religiosa para a Casa de Oxóssi sem o seu consentimento. No boletim consta que Graziela apresentou um vídeo em que Mãe Stella aparece afirmando querer viver com a companheira “em lugar escolhido pelas duas para poderem viver em paz”. Os familiares desmentem a versão e dizem que a Ialorixá quis ir à Casa de Oxossi.

Os conflitos entre a família de Mãe Stella e Graziela começaram em junho, quando familiares pediram ao Ministério Público (MP) para terem acesso a líder religiosa alegando que a mesma estava sofrendo maus tratos físicos e psicológicos.

Falar com Mãe Carmen de Oxalá, disponibiliza atendimento com cartas e búzios (51) 984945770

A fantástica história do “sequestro” de Mãe Stella


08 de dezembro de 2017, 09:41

Laís Rocha

Os familiares de Mãe Stella de Oxóssi e filhos de santo da mesma acusam a psicóloga Graziela Domini de levar a Ialorixá de casa sem informar o paradeiro. De acordo com informções da coluna Satélite de Jairo Junior e Luan Santos, eles vão se reunir nesta sexta-feira (8), no Terreiro Ilê Axé Opo Ofunjá, para discurtir estratégias para “resgatar” Mãe Stella. O paradeiro ainda não foi confirmado, mas há suspeitas que ela foi levada para a cidade de Nazaré, no Recôncavo Baiano, onde Graziela tem família.

Ainda de acordo com a coluna, em carta assinada por 71 pessoas, familiares e filhos do Ilê relatam que a psicóloga, que não era bem vinda no Axé, estaria impedindo visitas à Mãe Stella, que tem 92 anos. Segundo a carta, o “sequestro” já dura 12 dias.

Em outra carta de conhecimento dos colunistas, Graziela se apresenta como companheira da Ialorixá, afirma que está sendo difamada e injustiçada e que a situação já afeta a saúde de Mãe Stella. No último dia 24, a psicóloga prestou queixa contra os filhos de santo por terem levado a líder religiosa para a Casa de Oxóssi sem o seu consentimento. No boletim consta que Graziela apresentou um vídeo em que Mãe Stella aparece afirmando querer viver com a companheira “em lugar escolhido pelas duas para poderem viver em paz”. Os familiares desmentem a versão e dizem que a Ialorixá quis ir à Casa de Oxossi.

Os conflitos entre a família de Mãe Stella e Graziela começaram em junho, quando familiares pediram ao Ministério Público (MP) para terem acesso a líder religiosa alegando que a mesma estava sofrendo maus tratos físicos e psicológicos.

segunda-feira, 4 de dezembro de 2017

ASSOBECATY saúda a guerreira IANSÃ

Dia da guerreira IANSÃ. Iansã minha melhor companhia para entrar numa guerra, ela nunca deixou eu entrar numa guerra para perder. Dia de agradecer pelos bons direcionamentos dos seus ventos, gratidão Iansã, pelo bom axé de vitória em meus caminhos. — em Assobecaty.GUERREIRA 2017

domingo, 19 de novembro de 2017

O grupo infantil de Dança Afro da Associação Oxum Pandá Mirê, com suas danças cheias de graça e ternura encantara e contagiaram o publico da 63ª Feira do Livro de Porto Alegre.

IMG_4534As crianças deram um toque todo especial nas apresentações de dança Afro Infantil.. As crianças do Grupo infantil de Dança Afro da Associação Oxum Pandá Mirê, com suas danças cheias de graça e ternura encantara e contagiaram o publico da 63ª Feira do Livro de Porto Alegre.

Confira mais imagens

.IMG_4546IMG_4548IMG_4547IMG_4549IMG_4550

Ponto de Cultura Ilê Axé Cultural -Assobecaty está em Feira do Livro de Porto Alegre.

Publicado por YA Carmen DE Oxalá · 9 h · Porto Alegre, Rio Grande do Sul·

·

Hoje em Feira do Livro de Porto Alegre

Pelo terceiro ano consecutivo, chegamos na tão esperada feira do livro, na capital gaúcha, as atividades culturais do Ponto de Cultura Ilê Axé Cultural ASSOBECATY, compõe a programação oficial no último dia (19), na 63ª Feira do Livro de Porto Alegre, elas promovem o hip hop, a dança afro infantil, contação de história, percussão e afoxé que irão ser apresentadas de uma forma dinamicamente e atrativamente negra, com foco em diferentes públicos.