Páginas

sábado, 18 de novembro de 2017

Tecidos amarrados em árvores pedem paz e fim da violência contra terreiros


Mil metros de tecido foram utilizados no Dique do Tororó, Campo Grande, Corredor da Vitória e Pelourinho

A cidade de Salvador amanheceu coberta de branco após a Alvorada dos Ojás, atividade promovida pelo Coletivo de Entidades Negras (CEN), entidade nacional do movimento negro, que amarra tecidos brancos utilizados durante as obrigações do candomblé, os Ojás, em árvores. Cerca de mil metros de tecido foram utilizados nas árvores do Dique do Tororó, Campo Grande, Corredor da Vitória e Pelourinho na noite desta sexta-feira (17).

A ação, que conta com apoio da Comissão dos Terreiros Tombados, dos terreiros de Lauro de Freitas, de Camaçari e da Secretaria de Promoção da Igualdade Racial do Estado da Bahia (Sepromi), é realizada pelo décimo primeiro ano consecutivo e neste ano traz a campanha “não toquem em nossos terreiros”, contra a intolerância praticada contra religiões de matrizes africanas.

"Com a Alvorada dos Ojás, nós queremos trazer uma reflexão sobre como a cidade pode amanhecer mais bonita. É um pedido de paz, respeito e solidariedade entre nós. Nós utilizamos as árvores porque elas já estão aqui há mais tempo que a gente e permanecerão depois da nossa presença física. Ela é sagrada. Nós queremos que as pessoas olhem para a árvore e reflitam sobre a importância de amar as pessoas, amar a cidade e respeitar os direitos de cada um”, afirmou Marcos Rezende, coordenador nacional do CEN.

Dique do Tororó é um dos locais que recebeu os tecidos brancos
Foto: Júlia Vigné/CORREIO

Antes de serem amarrados nas árvores, os tecidos, pintados pelo artista plástico e diretor do bloco Cortejo Afro, Alberto Pitta, foram sacralizados no Terreiro Tumba Junsara, uma das casas tradicionais de candomblé no Brasil, tombada como patrimônio histórico do Estado da Bahia.

“Nós vemos sofrendo uma série de intolerâncias religiosas e de desrespeito. Apesar de nos ofertarem pedras, em vez de construirmos muros, nós construirmos estradas para que todos possam caminhar. Apesar de violência, da depredação de templos e da negação do direito religioso que nos é feito muitas vezes, nós estamos dizendo: nós te amamos! Porque é isso que os orixás pregam”, disse Rezende.

Teste Rubicon

O coordenador nacional ainda destaca que os tecidos permanecerão amarrados na árvore. A ideia é que as pessoas que tenham o desejo de tirar, retirem. “Nós deixamos para quem desejar tirar. Hoje de manhã uma pessoa tirou para fazer roupa de santo. Outra nos perguntou se poderia retirar um pedaço do tecido para utilizar como cobertor. O nosso objetivo é esse”, explicou.

Pedido de paz
O CORREIO esteve presente no Dique do Tororó para questionar os transeuntes se eles sabiam do significado dos tecidos brancos que estão dispostos por todo o local, amarrados nas árvores. Uma sensação foi compreendida por todos: o pedido de paz. Teve quem achasse que o ato fosse da igreja, como quatro idosas que estavam distribuindo revistas religiosas. Uma delas, Maria Ferreira, que prefere ser chamada de Gracinha, de 58 anos, afirmou que acreditava que era uma manifestação de religiosos da igreja pedindo paz para o mundo.

Já Otonei Silva Santos, de 60 anos, que vende artigos de educação física no local, afirmou já ter visto a ação em outros anos. “Acho que é um pedido de paz. É feito por pessoas adeptas do candomblé todo ano. De noite eles saem amarrando esses panos aqui no Dique e em outros bairros da cidade”, disse.

Teve quem achasse, também, que era só para enfeitar, “para deixar mais bonito”. “Quem coloca isso deve trabalhar para o bem, e não para o mal. Colocou para enfeitar as árvores, deve ter relação com orixás também”, afirmou Ângela Dias, de 38 anos. Após saber do real significado do ato pela reportagem, a cozinheira ficou feliz de saber do ato. “É bom ter esperança e crer em paz, né?”, disse.

O funcionário público Emanuel Gomes, de 64 anos, já sabia um pouco mais sobre a ação: ele tinha conhecimento que era um ato realizado por pessoas adeptas ao candomblé e que as ações no Dique do Tororó são feitas antes mesmo do asfaltamento do local. “Desde quando aqui não tinha nem estrada eles fazem essas homenagens aos Orixás. Se é branco, então tem a ver com a paz”, afirmou.

sexta-feira, 17 de novembro de 2017

A riqueza da matriz africana continua em destaque com a EXPOSIÇÂO ILÊ IFÉ: O sagrado aos olhos humanos na CCMQ

23031245_1379987708777878_5084898832323564698_nA riqueza da matriz africana continua homenageada na exposição Ilê Ifé . Sim, esta aberta até o dia 30/11 lá na Casa de Cultura Mario Quintana. É , a iniciativa é do primeiro ponto de cultura de matriz africana no estado do Rio Grande do Sul reconhecido e investido pelas políticas culturais. O ponto de cultura Ilê Axé Cultural ASSOBECATY coloca em destaque o novembro negro. Legal, né? Corre lá, a exposição só vai até o dia 30/11!
Exposição Ilê Ifé: O Sagrado aos olhos humanos
04/11 a 30/11: das 10hs às 21hs
Casa de Cultura Mario Quintana
Centro Histórico de Porto Alegre
Entrada franca

domingo, 5 de novembro de 2017

Grupo de percussão Iyalodê Idunn, encerra atividade do Novembro Negro foi ovacionado e motivou muita dança no pé



O grupo de percussão do Quilombo do Sopapo, Iyalodê Idunn , fez um final de tarde agitado, sábado ( 4 ), sendo a última atração da Programação do Novembro Negro, iniciativa do Ponto de Cultura Ilê Axé Cultural – Assobecaty ocorrido na Casa de Cultura Mario Quintana,  Os (as) percussionistas cantoras(os) foram aplaudidas, e também muita dança no pé.IMG_4139

Durante 40 minutos, sob o comando do comandado por Mestre Edu Nascimento, cantaram músicas em diversos sendo algumas de autoria própria.IMG_4185

Mãe Carmen de Oxalá, que comanda ASSOBECATY,  parabenizou o grupo pela belíssima apresentação. “A Iya afirmou: “Parabéns!  Estes são parceiros confirmados, sempre abrilhantam nossas atividades”.

Grupo de percussão Yalodê Idunn, encerra atividade do Novembro Negro foi ovacionado e motivou muita dança no pé



O grupo de percussão do Quilombo do Sopapo, Yalodê Idunn , fez um final de tarde agitado, sábado ( 4 ), sendo a última atração da Programação do Novembro Negro, iniciativa do Ponto de Cultura Ilê Axé Cultural – Assobecaty ocorrido na Casa de Cultura Mario Quintana,  Os (as) percussionistas cantoras(os) foram aplaudidas, e também muita dança no pé.IMG_4139

Durante 40 minutos, sob o comando do comandado por Mestre Edu Nascimento, cantaram músicas em diversos sendo algumas de autoria própria.IMG_4185

Mãe Carmen de Oxalá, que comanda ASSOBECATY,  parabenizou o grupo pela belíssima apresentação. “A Iya afirmou: “Parabéns!  Estes são parceiros confirmados, sempre abrilhantam nossas atividades”.

sábado, 4 de novembro de 2017

Grupo Infantil de Dança Afro da Associação Oxum Panda Mirê, chegando na CCMQ

1/11 em Casa De Cultura Mario Quintana

Eles encantaram com suas graciosidades, uma experiência maravilhosa que se revelou, a dança do grupo infantil muito importante por elevar auto estima, incentivar as crianças, e também eles aprendem a valorizar e defender a cultura afro.IMG_4050IMG_4052IMG_4053IMG_4054IMG_4055

As estrelinhas do Grupo Infantil de Dança Afro da Associação Oxum Panda Mirê, chegando com Mâe Andréia de Oxum, na CCMQ

IMG_4012_thumb[1]IMG_4010_thumb[2]

IMG_4009_thumb[2]

As estrelinhas do Grupo Infantil de Dança Afro da Associação Oxum Panda Mirê, chegando na CCMQ

IMG_4012_thumb[1]IMG_4010_thumb[2]

IMG_4009_thumb[2]

O público presente embarcou na viagem da Contação de histórias do Cantaqueeuconto com Prof Fabiana Souza e Beto Silva

O público presente em apreciaram uma bela contação de histórias, viajaram por meio dos contos e dos cantos e sons do  Grupo Cantaqueeuconto,  Prof Fabiana Souza e o percussionista, arte-educador  Beto Silva.

IMG_3977 

Também oportuniza  o resgate da identidade de um lugar e através da narração ela mostra esse mundo fantasioso com muito amor e arte.Uma forma de valorizar nossa cultura e também de passar um pouco de conhecimento e emoção. público.

IMG_3976

A bailarina Mahira Agni foi atração cultural que abriu o Novembro Negro na CCMQ

A bailarina de dança afro egípcia e coreógrafa Mhaira Agni  e sua neta  Dafne Victória foram atração de abertura do Novembro Negro, abrilhantaram e africanizando através da dança/arte afro-egípcia usando a dança como uma ferramenta de  reafirmação da luta da luta por visibilidade da mulher negra, resistindo ao preconceito das pessoas em relação aos negros, as cotas.

IMG_3974

Serviço - Exposição Ilê-Ifé: O Sagrado aos Olhos Humanos
Período: de 4 a 30 de novembro de 2017.
Local: Espaço Majestic - térreo da CCMQ - Rua dos Andradas, nº 736 - Centro Histórico - Porto Alegre/RS
Visitação: de terça a sexta, das 9h às 21h; sábados, domingos e feriados, das 12h às 21h.

Exposição  ILÊ IFÉ : O sagrado aos olhos humanos,  Programação do NOVEMBRO NEGRO

REALIZADO PELO PONTO DE CULTURA ILE AXE CULTURAL ASSOBECATY

Exposição ILÊ IFÉ : O sagrado aos olhos humanos, abre a Programação do NOVEMBRO NEGRO

A Exposição Ilê Ifé : O sagrado aos olhos humanos, iniciou dia 04 de novembro, com uma série de atividades dança afro egípcia, contação de história, dança afro infantil. A iniciativa de celebração e valorização da cultura de matriz africana, serão majoritariamente concentradas na Casa de Cultura Mario Quintana e na 63ª Feira do Livro, ambas no centro histórico da capital gaúcha.                                                  

IMG_4032

                                                          ( Vista parcial do mezanino CCMQ)

Serviço - Exposição Ilê-Ifé: O Sagrado aos Olhos Humanos
Período: de 4 a 30 de novembro de 2017.
Local: Espaço Majestic - térreo da CCMQ - Rua dos Andradas, nº 736 - Centro Histórico - Porto Alegre/RS
Visitação: de terça a sexta, das 9h às 21h; sábados, domingos e feriados, das 12h às 21h.

Exposição  ILÊ IFÉ : O sagrado aos olhos humanos,  Programação do NOVEMBRO NEGRO

REALIZADO PELO PONTO DE CULTURA ILE AXE CULTURAL ASSOBECATY

quarta-feira, 1 de novembro de 2017

Venha Celebrar a Riqueza Cultural de Matriz Africana com o Ponto de Cultura Ilê Axé Cultural ASSOBECATY estará na capital gaúcha com o NOVEMBRO NEGRO

Novembro Negro


Para celebrar a riqueza cultural de matriz africana através de atividades culturais e artísticas, o evento  contemplará as  diferentes linguagens como: as indumentárias dos orixás, muita música afro de vários estilos,  afoxé, toque de alabes, dança, Hip Hop, lançamento da roupas de preto velhos, contação de história e  palestras.  A invasão  a partir de amanhã na Casa de Cultura Mario Quintana,  ocorrerá  sequencialmente:


4/11CASA DE CULTURA MARIO QUINTANA

  14h

      Abertura Exposição Ilê Ifé : O Sagrado aos Olhos Humanos

     Local : Espaço Majestic - Térreo CCMQ


4/11CASA DE CULTURA MARIO QUINTANA

  14:15

      Dança Afro Egìpsia : Prof Mahira Agni

   Local : Espaço Majestic - Térreo CCMQ


4/11CASA DE CULTURA MARIO QUINTANA

  14:30

      Grupo Infantil Dança Afro Oxum Pandá Mirê : Prof. Mãe Andréia de Oxum

Local: Mezanino -  CCMQ


4/11CASA DE CULTURA MARIO QUINTANA

  14:45

      Grupo de Dança Afro Luanda : Prof Janaína Soares

   Local : Espaço Mezanino CCMQ


4/11CASA DE CULTURA MARIO QUINTANA

  15:00

      Contação de História Contaqueeuconto : Fabiana Souza e Beto Silva

             Local : Espaço Mezanino CCMQ


4/11CASA DE CULTURA MARIO QUINTANA

  15:30

      Hip Hop Banda Front L

             Local : Espaço Mezanino CCMQ


4/11CASA DE CULTURA MARIO QUINTANA

  16:00

      Lançamento de moda afro, peças exclusivas criadas dentro do Ponto de Cultura Ilê Axé Cultural - ASSOBECATY

             Local : Espaço Mezanino CCMQ


4/11CASA DE CULTURA MARIO QUINTANA

  16:30

      AJEUN

             Local : Espaço Mezanino CCMQ


4/11CASA DE CULTURA MARIO QUINTANA

  16:45 

      Afoxé do Ponto de Cultura  Ilê Axé Cultural- Assobecaty : Jeferson Mendes Local: Mezanino CCMQ

            

4/11CASA DE CULTURA MARIO QUINTANA

  17:00

       Grupo de Percussão Yalodê Idunn Mestre Edu Nascimento padrinho

             Local : Espaço Mezanino CCMQ


12/11CASA DE CULTURA MARIO QUINTANA

  10:00 ás 17:00

                                 BAZAR CONEXÃO AFRO


Associação Oxum Pandá Mirê peças exclusivas de autoria de Mãe Andréia de Oxum artesanato afro, peças em gesso de negras africanas , patuás, bijuterias e kit com axés.


Ponto de Cultura Ilê Axé Cultural - Roupas afros, roupas de preto velhos, turbantes, colares, kits de axés, negras africanas, sabonetes aromáticos, patuás, criação  exclusivas do ponto de cultura.

                             Local Travessa dos Cataventos


15/11CASA DE CULTURA MARIO QUINTANA

  14:30

      Roda de Reflexão 109 Anos da Umbanda- Pai Wilson de Oxalá

             Local : Espaço Romeu Grimaldi - 3º andar CCMQ   

                                   

19/1163ª FEIRA DO LIVRO PORTO ALEGRE

  14:00

Domingo de criação: Banda Hip Hop Front LR Praça de Autógrafo

                                              Local - Praça Alfândega


19/11CASA DE CULTURA MARIO QUINTANA

  14:30

      O BATUQUE DO RIO GRANDE DO SUL E A CONCEPÇÃO - PESSOA RELIGIOSA BATUQUEIRA E CRISTà

                                                     Prof. Dr. Norton Corrêa

             Local : Espaço Romeu Grimaldi - 3º andar CCMQ 


19/1163ª FEIRA DO LIVRO PORTO ALEGRE

  17:00

Domingo de criação: Contação de História

                                                    Cantaqueeuconto com Fabiana Souza e Beto Silva -

                                  Local - Tenda Pasárgada - Praça da Alfândega, diante do Memorial do RS


19/1163ª FEIRA DO LIVRO PORTO ALEGRE

  18:00

                              PERCUSSÃO E AFOXÉ

O show  acontece com o GRUPO DE PERCUSSÃO YALODÊ IDUNN sob o comando do Mestre Griot Edu Nascimento,  quem o acompanha é o Afoxé  do Ponto de Cultura Ilê Axé Cultural Assobecaty, Grupo Infantil de  Dança Afro

Local: Tenda de Pasárgada – Praça da Alfândega, diante do Memorial do RS


25/11CASA DE CULTURA MARIO QUINTANA

  14:30

Empoderamento das Mulheres do Axé do Sul: Fisioterapeuta e Yalorixá Sandra Aires de Oxum


             Local : Sala Hermes Mancilha - 2º andar CCMQ 

30/11CASA DE CULTURA MARIO QUINTANA

  14:30

Encerramento Exposição Ilê Ifé   Local : Espaço Majestic- Térreo CCMQ

segunda-feira, 23 de outubro de 2017

Pedra de Xangô Presente no Google Maps

Pedra de Xangô Presente no Google Maps
Algumas pessoas podem estar com dificuldades para chegar na Pedra de Xangô, está aí retirado do Google Maps o caminho que se faz passando pelo portão do Balneário Alegria fica logo ali.

-Agendão

quinta-feira, 28 de setembro de 2017

Está adiado o 10º Alujá na Pedra de Xangô e a manifestação de apoio as casas que estão sendo atacadas no Brasil

Foi transferido

O  10º Alujá na Pedra de Xangô, que ocorreria neste sábado no Balneário Alegria em Guaíba, precisou ser adiado devido a previsão de chuva. De acordo com o evento no Facebook, a atividade vai ocorrer no outro fim de semana, nos dias 10 de outubro.

A programação faz parte de uma proposta do Ponto de Cultura Ilê Axé Cultural – ASSOBECATY  para processo de visibilidade e valorização, que desde 2007 esta sendo reinvindicada uma revitalização.

A Pedra de Xangô fica localizado no Balneário Alegria. Significa a riqueza de um povo negro e de matriz africana.

Você já conhece a Pedra de Xangô?

Você sabia da existência dessa enorme e exuberante pedra que fica no Balneário Alegria em Guaíba, conhecida como PEDRA DE XANGÔ?

Há dez anos a comunidade tradicional de matriz africana e umbanda se reúnem em torno dela, para tocar um ALUJÁ para o Rei Xangô. Este resgate esta sendo construído a 9 anos , organizado pelo Ponto de Cultura Ilê Axé Cultural ASSOBECATY.FotoJet (18)

sábado, 23 de setembro de 2017

Pedra de Xangô como patrimônio Imaterial: Viva Ancestralidade





FotoJet (19)

Para o Ponto de Cultura Ilê Axé Cultural Africana Templo de Yemanjá, o Alujá na Pedra de Xangô tem sido desenvolvido para dar visibilidade e exigir o direito da preservação estatizada com o tombamento do monumento como patrimônio cultural de Guaíba.

A preservação da Pedra de Xangô e do seu entorno deve ter a   responsabilidade dos  terreiros, atores culturais  e deve ser extrapolada para as esferas do poder público, que deve garantir os direitos culturais do povo.

quinta-feira, 14 de setembro de 2017

Convocação Reunião PT Guaíba via redes sociais

VIA REDES SOCIAIS

O diretório municipal do PT convocou na manhã desta quinta-feira (14 ) via redes sociais, uma reunião ampliada,  15 de setembro  às 19:30 horas, na Câmara municipal  de Guaíba, para a instalação da Comissão Provisória. Convite  PT 00

Segundo o convite a militantes e simpatizantes, a reunião terá a presença da Secretária de Organização do PT/RS. "O momento é de mobilização total".

Mãe  Carmen

Presidenta  PT Guaíba

1ª  Mulher Negra Presidente de Partido Político no RS

2ª Mulher Negra Presidente de  Partido Politico no Brasil

segunda-feira, 11 de setembro de 2017

Mãe Carmen de Oxalá– Presidenta PT Guaíba Convoca a militância para reunião

Convite  PT 00

Companheiros(as),
Através deste e-mail estou convocando Reunião do Diretório Municipal do Partido dos Trabalhadores de Guaíba.
Data: 15/09/2017 - sexta - feira
Local: Plenário da Câmara de Vereadores de Guaíba
Horário: 19:30 horas
Pauta:
-  Instalação da Comissão Provisória
Saudações!
Carmen Oliveira - Presidenta PT Guaíba
1ª Mulher Negra Presidente de partido político no RS
2ª Mulher Negra Presidente de Partido no Brasil

domingo, 10 de setembro de 2017

Pedra de Xangô : Símbolo Sagrado da Matriz Africana

FotoJet (25)

O crescimento desordenado da cidade, com a crescente diminuição e abandono das áreas verdes, rios, lagoas e orla marítima representam uma ameaça à sociedade em geral e às tradições da comunidade negra. Foi dentro desta perspectiva que no ano de 2007 a casa tradicional de matriz africana  Associação Beneficente Cultural Africana Templo de Yemanjá – ASSOBECATY, respaldada por 20 ilês encabeçou a luta pelo resgate da Pedra de Xangô no município de Guaíba. Por entender a importância da preservação do meio ambiente como condição para a manutenção da tradição do batuque do sul, visto que é uma religião baseada nos aspectos da natureza. No ano de 2013, Assobecaty foi reconhecida e investida pelo edital N. Edital Sedac nº 11/2012 - Rede RS de Pontos de Cultura, dos Programas Cultura Viva e Mais Cultura (Convênio Minc/FNC nº 763224/2011) da Secretaria Estadual de Cultura como Ponto de Cultura Ilê Axé Cultural , o plano de trabalho A Pedra de Xangô e a Gruta de Oxum são patrimônio cultural imaterial da matriz africana.

sexta-feira, 1 de setembro de 2017

SETEMBRO É SINÔNIMO DE ALUJÁ NA PEDRA DE XANGÔ

FotoJet (24)

Pra muita gente setembro é o mês das flores, mas em Guaíba, pra quem não sabe, setembro é sinônimo de Alujá na Pedra de Xangô ! Afinal, é o mês de Xangô, em que se homenageia  orixá justiceiro,um pedacinho da África que está representado na Pedra de Xangô localizada no Balneário Alegria Guaíba, RS, Brasil. E o Ponto de Cultura Ilê Axé Cultural ASSOBECATY vem trabalhando forte para dar visibilidade para este espaço.

O Que a Estação Pede! na ASSOBECATY

Setembro mal começou e nós na ASSOBECATY e no Ponto de Cultura  já temos uma certeza: o mês vai ser de arrasar! Isso porque junto com ele, vem a primavera, uma época tão esperada por suas flores e cores especiais! E por nós  assobecatyanos o aniver da Greice  nossa Coordenadora do Ponto de Cultura, as celebrações de Cosme e Damião e bem no final o nosso sagrado ALUJÁ NA PEDRA DE XANGÔ. Confira o nosso mix de apostas para o mês, fique por dentro das atividades e garanta um tempo na sua agenda.aNIVERSÁRIO DA GREICE 1

tela31 cosme e damião 1

VEM AI !!!!!! ALUJA NA  PEDRA DE XANGÔ

quinta-feira, 31 de agosto de 2017

Ponto de Cultura Ilê Axé Cultural ASSOBECATY Oferta a Oficina de Sabonete Artesanal Afro

oficina de sabonete artesanal afroOficina ensinará confecção de sabonetes artesanal afro.
Estão abertas as inscrições para oficina gratuita de sabonete artesanal oferecido pela Ponto de Cultura Ilê Axé Cultural - ASSOBECATY. As vagas são para jovens e adultos homens e mulheres que tem interesse de reforçar o orçamento da família. Os interessados devem se inscrever no local onde será realizado a capacitação.
As oficinas ensinarão a confeccionar sabonetes, ocorrem na sede do Ponto de Cultura da ASSOBECATY, situado na rua Wenceslau Fontoura nº 226, Jardim Santa Rita Guaíba.
Com o ensino de técnicas de confecção de sabonetes e venda dos produtos, a oficina será realizada nos dias 6, 8, 15 de setembro, sempre das 14h às 15h.
Depois de prontos, os materiais poderão ser vendidos pelos alunos. As matérias-primas para o início serão fornecidas pelo projeto. O conteúdo das aulas também inclui noções de preço, embalagem e comercialização. Mais informações podem ser obtidas pelo telefone (51) 30556655.

Venha conhecer a Pedra de Xangô localizada na cidade de Guaíba . Ela é o marco de resistência da matriz africana. É diante deste sagrado que vai acontecer a 10ª Edição do ALUJÁ NA PEDRA DE XANGÔ. Realização Ponto de Cultura Ilê Axé Cultural ASSOBECATY.

FotoJet (21)

quinta-feira, 24 de agosto de 2017

Campanha do Agasalho 2017 ASSOBECATY na finaleira com entrega de roupas na Vila Primavera , São Luiz, São Jorge

ASSOBECATY é reconhecida por ser solidária, por ser de assistência, ser cultural, por ser de tradição de matriz africana. Estamos finalizando entregaFotoJet de roupas na Campanha do Agasalho da ASSOBECATY 2017.

As doação de roupas, calçados, cobertas em boas condições de uso podem fazer a alegria e aquecer muitas pessoas que estão em vulnerabilidade social.  Este ano foi atípico, vieram bem menos agasalhos, por esta questão foi priorizado os cadastrados do  projeto AJEUN ILERA - Alimento saudável para todos das vilas  Primavera, São Jorge, São Luis, 688, que receberam as doações de roupas .

Morre o ativista social e Matriz Africana chora por Nei D’Ogum


NEI, PRESENTE!

NeiO dia começou imensamente triste com a notícia do falecimento do companheiro Nei D'Ogum, militante petista, ativista social, agitador cultural e, principalmente, um combatente contra a discriminação, o racismo e a homofobia.
O Nei era daquelas pessoas que contagiava onde estivesse pela inquietude, pela irreverência e pelo jeito como travava lutas extremamente duras de um jeito leve e cativante. Nei partiu muito cedo, mas não antes de deixar um legado muito diversificado e grandioso de engajamento e de posicionamento contra tudo aquilo que representasse uma injustiça.
Nei batalhava praticamente todos os momentos por um mundo bem mais justo e solidário do que o mundo que vivemos hoje. É nosso dever - nós que somos companheiros de jornadas dele - não recuar, não dar passos para trás, não esmorecer.
A melhor forma de homenagear o Nei é continuar lutando e bradando contra a opressão, a violência e o preconceito. A imagem que sempre vou ter dele é esta aqui embaixo: punho cerrado e bem lá no alto.
Podes descansar, sim, Nei, pois foste um grande guerreiro em vida. Um guerreiro pelos mais pobres, pelos mais sofridos, pelos mais discriminados!
#Luto #SantaMaria #NeiDOgum

Morre o ativista social e religioso Nei D'Ogum

Ele será enterrado na tarde desta quinta-feira em Santa Maria

CompartilharE-mailGoogle PlusTwitterFacebook

Morre o ativista social e religioso Nei D'Ogum  Divulgação/

Foto: Divulgação

Diário de Santa Maria

Diário de Santa Maria

Um dos ativistas religiosos e sociais mais atuantes em Santa Maria morreu na noite desta quarta-feira, em Santa Maria. Vilnes Gonçalves Flores Júnior, conhecido como Nei D'Ogum está sendo velado na Capela 4 do Hospital de Caridade. O enterro está previsto para às 15h desta quinta, no Cemitério Ecumênico Municipal. A causa da morte ainda não foi divulgada.

Nei morava no Loteamento Cipriano Rocha, onde fundou uma Associação Comunitária. Era defensor da cultura popular, dos espaços públicos e das artes de rua urbana. Também foi um dos fundadores do Coletivo Ará Dudu, de arte e cultura negra. Ele vivia com o companheiro Ricardo Souza há mais de 20 anos.

Nei trabalhou como guia turístico, auxiliar de fabricante de picolés e sorvetes, vendedor no comércio, auxiliar de pedreiro, garçom, consultor político e produtor cultural. Na última eleição municipal, foi candidato a vereador em Santa Maria pelo Partido dos Trabalhadores (PT). Dos 214 candidatos, foi o 27º mais votado.

Praticante de religião de matriz africana, Nei pertencia à Comunidade de Terreiro Ilê Axé Ossanha Agué e foi articulador da 1ª Conferência Municipal e Regional dos Povos de Terreiro.
Sua trajetória como ativista foi retratada no documentário Pobre Preto Puto, dirigido por Diego Tafarel, lançado em 2016 e premiado no Festival de Cinema de Gramado. A obra também teve estreia nacional em junho deste ano, quando foi transmitido pelo Canal Brasil. Confira o trailer:

sexta-feira, 28 de julho de 2017

Ponto de Cultura Ilê Axé Cultural este é o nome do 1º Ponto de Matriz Africana do Estado do Rio Grande do Sul. Um lugar de expressão da cultura de um povo.

[004780]Um lugar de expressão da cultura afro. Um lugar de convívio da comunidade. Assim pode ser descrito o Ponto de Cultura Ilê Axé CUltural. ASSOBECATY, que oferta aos frequentadores uma programação cultural de ótima qualidade, num ambiente preparado para todas as atividades oferecidas. Localização: Av. Wenceslau Fontoura, 226 Santa Rita Guaíba Horário: Oficinas aos sábados das 9h às 16h Contato: Tel: (51) 30556655

terça-feira, 25 de julho de 2017

Carta de um Homem Negro à uma Mulher Negra…

 

A você, Mulher Negra

Nem sei como iniciar este meu contato com você…

Vou começar pela forma mais sincera e humilde que consigo encontrar neste momento:

Peço-lhe as minhas desculpas, Minha Rainha

Tenho estado tão afastado de mim, um homem preto do século 21, que caí nas armadilhas que me fizerem ignorar e menosprezar a sua presença.

african-queens

Desde que nós dois aqui desembarcamos, sequestrados que fomos, lá, do outro lado do “Grande Rio”, houveram mais condições e eventos que me fizeram desconsiderar e até mesmo negar o seu real valor, do que dignificá-la e exaltá-la, como os nossos antepassados já o faziam, antes que o flagelo da escravização se abatesse sobre nós.

Trazidos pra cá, todas as condições de vida que tanto eu quanto você (e você, principalmente), às quais fomos nós dois submetidos, conspiraram pra que o meu olhar sobre você fosse contaminado, desde que pela primeira vez vimos o sol do Brasil, ao sairmos dos porões fétidos dos navios tumbeiros vindos da África, nossa outrora Terra Mãe.

Saímos de lá, Deusa de minhas tradições, pra nunca mais voltar…

Forçado que fui a sobreviver em uma nova ordem social (bem distinta e conflitante com as nossas tradições culturais de tempos infindos e terras distantes), eu homem preto, fui massacrado em minha forma de entender a mim e ao mundo, e também na forma de me relacionar com você, minha parceira milenar, em um contexto opressivo e massacrante que era (e ainda é!) sustentado pela violência sistemática, a opressão contínua, a ameaça implacável, a violação de laços familiares e a infusão de valores doutrinários exógenos à minha percepção de mundo original.

Fatinha do Jongo (Foto - Jabuti Filmes)Fatinha do Jongo (Foto – Jabuti Filmes)

E também ao mimetismo generalizado imposto ao meu corpo e (principalmente!) à minha alma, o qual me expõe e me torna “disponível” às mulheres de grupos étnicos diferentes do meu… e esse mergulhomodela o meu pensar, o meu falar e as minhas atitudes, de tal forma sou acuado a “adaptar para ser aceito” em círculos de convivência alheios às minhas origens, à minha herança cultural e ao meu legado histórico.

Não vi, ou fingi não ver, a sua dor e a sua solidão, Rainha de minha história. Fui falho, indiferente e injusto com a sua luta e também com a sua demonstração diária de resistência. Sei que a minha ausência nos seus momentos de isolamento e angústia intensificaram ainda mais as suas lágrimas, fossem elas expostas à luz do sol, ou vertidas na escuridão de suas noites solitárias. Mostrei fragilidade, no momento em que você solitariamente mostrou e prova ao mundo toda a grandiosidade de sua força.

curitibahome

E, nas oportunidades em que a minha condição social ascendeu minimamente, eu lhe virei as costas e fui despejar o meu patrimônio em outras culturas e em outros grupos, em detrimento de toda a nobreza africana que eu deveria exaltar com você do meu lado e com a devoção que, agora começo a perceber, Rainha, deveria ser integralmente dedicada a você.

Contudo, começo a despertar de novo, minha Obá triunfal, em nome do resgate e da retomada dos meus passos em sua direção, em sua celebração e em busca do merecimento, ainda que tardio, de sua companhia e da sua existência; a única que, agora eu sei, me complementa, me dignifica e que me torna ainda maior do que eu mesmo acredito que posso ser.

Estou ciente de que tenho errado com você, Majestade de Ébano, mas vou beber da fonte da humildade para, desta vez, agir em busca dos acertos. Rebuscar, em algum lugar dentro de mim, o sentimento de presença e de proteção a você, que se esvaiu do meu peito e de minhas atitudes, desde que a primeira embarcação aviltante desembarcou por aqui.

11950231_1609324346001116_3268612476267970827_o

Sei da minha porção de encargos sobre as mazelas que se abatem sobre a sua vida desde que aqui chegamos e sei o quanto a minha omissão e insensatez em todo esse cenário contribuíram e continuam contribuindo para a dor e as cicatrizes do seu corpo e da sua alma.

Mas quero me redimir, Rainha. E o meu êxito, caso eu consiga, só virá com um gesto de perdão seu (ainda que relutante) em minha direção.

Nem sei se mereço, se levarmos em conta que foram os meus próprios deslizes que provocaram o seu olhar amargurado e crítico sobre mim.

Mas quero e vou tentar. Só agora entendo que só posso ser um Homem na integridade se tiver você amada, feliz, segura, respeitada, valorizada, protegida e satisfeita do meu lado.

Não posso e não devo falar por todos os Homens pretos. Falo por mim e pelo o que o meu juízo crítico me determina neste momento.

image

Eu preferi caminhar do seu lado. Já me sinto feliz e de cabeça erguida com a minha decisão. Espero ser digno por, de novo, poder me aninhar em seus braços.

E voltar a ser o Homem por inteiro que eu era antes de atravessarmos o oceano. Da mesma forma que nos tiraram da África, torço pra você me aceitar de volta.

Pra eu nunca mais sair de você e você nunca mais sofrer por mim…

Fonte: Durval Arantes

quarta-feira, 19 de julho de 2017

EXPOSIÇÃO ILÊ IFÉ : O SAGRADO AOS OLHOS HUMANOS "

EVENT DETAILS

EXPOSIÇÃO ILÊ IFÉ : O SAGRADO AOS OLHOS HUMANOS "

O Ponto de Cultura Ilê Axé Cultural - Assobecaty , reconhecido pelo estado do Rio Grande do Sul ,como primeiro Ponto de Cultura de Matriz Africana ,tem o prazer e a honra de convidar para a " Exposição Ilê Ifé : O Sagrado aos olhos humanos" ,que será exposta na Casa de Cultura Mario Quintana no espaço Majestic de 16 a 30 de Abril , a abertura do evento será no dia 16 de Abril a partir das 14h e contará com inúmeras atrações culturais ! Venham participar!!!!

Fonte: https://allevents.in/porto%20alegre/exposi%C3%A7%C3%A3o-il%C3%AA-if%C3%A9-o-sagrado-aos-olhos-humanos/1013964328672702

sábado, 1 de julho de 2017

ASSOBECATY está com a Campanha do Agasalho 2016

FotoJet (3)_thumb[2]

Assobecaty  esta com a Campanha do Agasalho 2016 a todo vapor, com objetivo de arrecadar roupas e cobertores, que posteriormente, serão doados para as famílias necessitadas do município.

“Pedimos a doação de agasalhos, sapatos e cobertores em boas condições. Vamos nos unir para que as famílias que mais precisam não fiquem desamparadas”, convida a presidente da associação.

Endereço: Rua Wenceslau Fontoura nº 226 Jardim Santa Rita – Guaiba – RS- Brasil

Campanha do Agasalho da ASSOBECATY 2017

FotoJet

A Campanha do Agasalho realizada pela ASSOBECATY é uma ação realizada anualmente, que conta  com o apoio de empresas, órgãos públicos, líderes  e defesa civil.

A ação envolve a cidade toda: com o apoio de diversos segmentos da sociedade, ASSOBECATY planeja estratégias e coordena ações para arrecadar agasalhos. O objetivo da campanha é ajudar as pessoas em situação de pobreza extrema que vivem nos bairros de maior vulnerabilidade social para que possam  enfrentarem o inverno com mais conforto, segurança e dignidade.

A campanha tem sido  amplamente divulgada nas redes sociais.

A arrecadação é um verdadeiro trabalho de formiguinha: A cidade abraçou a Campanha do Agasalho. A cada edição, a iniciativa recebe mais apoio da população: que doa peças entre roupas, agasalhos, cobertores e calçados.